sexta-feira, 14 de novembro de 2014

(…) mais do que um simples “upgrade” no Multiusos

Ambiente espaços verdes e energiaé o capítulo do programa eleitoral que o PS apresentou às eleições de 2013. Nele se pode ler, assumida como prioridade, a “requalificação do Multiusos para rececionar eventos de grande dimensão - políticas ativas de atração de congressos e de eventos com escala”.
Os responsáveis autárquicos do PSD, ao longo de mais de duas décadas, nunca assumiram como prioridade a construção de um espaço, multifuncional, capaz de albergar, qualificadamente, eventos de toda a natureza e de grande dimensão.
O que temos atualmente, conhecido pelo “Multiusos”, e que à época apelidei, com ironia, de “contentor” não nos serve. Hoje todos concordam e o próprio presidente de câmara só agora acordou de um silêncio cúmplice que, aliás, continuou na campanha.
Propõe-se fazer um “upgrade” em 2015, já que falhou a data do Natal deste ano. Não é grave. Nem falo no assunto por ser uma ambição pública do PS, sempre contrariada pela maioria na autarquia. É tão importante fazê-lo, bem, que merecia uma boa discussão pública e o conhecimento direto de equipamentos congéneres já existentes. Terá o nosso apoio.
O que importa é que a requalificação seja feita, desde que bem pensada, com futuro, dispensando curiosos no assunto, para que não exista necessidade das “habituais” emendas que, depois, surgem de tempo em tempo. Basta perceber o que se está a passar com o “pavilhão do Fontelo” para ilustrar a decisão impreparada de que foi alvo pelo executivo anterior. E todos estamos a pagar esse erro com dinheiro dos nossos pesados impostos.
É neste contexto que me preocupam afirmações do presidente da autarquia dizendo, relativamente às obras, que “não serão nada de fundo”. Podemos, eventualmente, ter um conceito diferente de “obras de fundo”, mas que serão necessárias, lá isso serão.
Quando a maioria diz, ainda que tarde, mas na boa linha do PS, que o Multiusos deverá ser a sala de espetáculos de Viseu, capaz de receber “um concerto, uma ópera ou uma peça de teatro de maior envergadura” ou grandes congressos, insisto eu, então, a ser verdade, não se tratará de um simples “upgrade”.
Relembrando o que vem na imprensa, atribuído a Almeida Henriques, “Nós pretendemos fazer um upgrade não só para nosso usufruto, como também colocar esta infraestrutura no círculo nacional de espetáculos”.
Pois, na antiga e boa linha do PS será isso mesmo. Terá a autarquia o apoio empenhado que nunca reconheceu ao PS, mas não deve esquecer que uma reconfiguração estratégica de sucesso exige mais do que um simples “upgrade” no Multiusos.

DV 2014.11, 12

Sem comentários:

Publicar um comentário