quinta-feira, 21 de Agosto de 2014

A loucura "jhiadista" que ameaça o mundo

Não são apenas os iraquianos que estão sob uma selvajaria inimaginável como disse Obama. É o mundo. 
A intervenção no Iraque foi um ato falhado, duas vezes. A ignorância e a fome serão sempre terreno fértil para os extremistas. A decapitação de um cidadão é a miséria moral extrema. 
O investimento na guerra será sempre mais caro do que o investimento na criação de empregos e bem-estar nos povos. Estamos numa espiral de violência sem retorno. Aumentará todos os dias em nome dos "petrodólares". O preço será elevadíssimo!

terça-feira, 19 de Agosto de 2014

Sondagens: Marina Silva, tecnicamente empatada, ensombra Dilma Rousseff

Marina da Silva, antiga ministra do Ambiente do Governo de Lula da Silva, do movimento político Rede de Sustentabilidade, foi anunciada para liderar a candidatura da coligação "Unidos pelo Brasil" à presidência do Brasil - um lugar que antes pertencia ao malogrado presidente do Partido Socialista Brasileiro (PBS), Eduardo Campos. 

Numa segunda volta as sondagens já vaticinam um empate técnico com Dilma Rousseff. Quem diria?

Seguro - até 12 de setembro - quer usar debates para "mobilizar" eleitores

António José Seguro quer que dois dos três debates com António Costa aconteçam antes de 12 de setembro, data em que fecham as inscrições de simpatizantes para as primárias do PS. 

A questão dos debates tem sido, desde o início, um ponto de difícil solução, mas a verdade é que sem eles, tal como diz Seguro, quer os militantes, quer os simpatizantes, ficam sem informação fundamental.

Os representantes das duas candidaturas reuniram ontem com a Comissão Eleitoral, mas ainda não foram abordadas datas. 

O colapso de Paulo Macedo e da Saúde em Portugal

Ministro da Saúde tem um verão quente e o país dores de cabeça injustificáveis.  Tal como referi diretamente a Paulo Macedo, na AR, a dita "Reforma Hospitalar" não seria levada por diante. Era impossível. O Governo quis fazê-la nas costas de toda a gente e foi obrigado a recuar. Vem dizer, agora, que fica para 2016, para os que hão-de vir. Não o ilustra muito!

Entretanto, consultas urgentes de cardiologia que demoram mais de ano e meio, falta de médicos e enfermeiros, greves marcadas, serviços em rutura um pouco por todo o país em contarponto com as cobranças coercivas das taxas moderadoras são a imagem que define a incapacidade de Paulo Macedo e regressão do SNS e a falta de acessibilidade.


Eurostat: Défice comercial agravou-se nos primeiros 5 meses do ano

As exportações nacionais perderam força nos primeiros meses do ano e Portugal acabou por ver travada a recuperação do saldo da balança comercial que se vinha registando desde o início do programa de ajustamento. 
Entre Janeiro e Maio - o mês em que a ‘troika' deixou o país - o défice comercial de Portugal atingiu os 4,1 mil milhões de euros, revelam os dados publicados ontem pelo Eurostat. São mais 700 milhões de euros do que o registado em igual período do ano passado, uma deterioração que se explica, quer com a queda das exportações, quer com o aumento das importações. 
Os primeiros meses do ano foram marcados pela paragem na refinaria de Sines, que teve um impacto significativo nas exportações da Galp e, por isso, nas vendas de Portugal ao exterior. De tal forma que, mostra o gabinete estatístico de Bruxelas, as exportações portugueses recuaram 1% entre Janeiro e Maio, face ao período homólogo. 
Ao mesmo tempo, a melhoria na confiança dos empresários e dos consumidores levou as empresas a aumentarem o investimento e as famílias a consumirem mais, provocando uma subida de 2% nas importações face ao ano passado. 
Contas feitas, o défice comercial atingiu os 4,1 mil milhões de euros, quando no ano passado, por esta altura, estava em 3,4 mil milhões. O que significa que, nos primeiros cinco meses do ano, Portugal teve o quarto maior défice do euro - atrás de França, Espanha e Grécia - e o quinto maior se o ‘ranking' for com os 28 países da União Europeia.
Os dados do Eurostat mostram já o impacto que a crise geopolítica na Ucrânia está a ter na economia europeia: as exportações na zona euro recuaram 4% na zona euro e 5% na União Europeia. Mais: nos cinco primeiros meses do ano, as exportações para a Rússia, com origem nos membros da moeda única, totalizaram os 32,1 mil milhões de euros, menos 14% do que no mesmo período de 2013. Já as importações do euro à Rússia cederam 7%, atingindo os 59 mil milhões de euros. (DE Luis Reis Pires)

domingo, 17 de Agosto de 2014

Outra mulher, Marina Silva, na corrida à presidência do Brasil


Marina Silva foi a escolhidas pelo Partido Socialista Brasileiro (PBS) seguindo um desejo da família Campos para que fosse a antiga ministra do Ambiente do Governo de Lula da Silva a substituir o ex-líder socialista. 
Convite que Marina Silva aceitou, segundo confirmaram membros do seu movimento político Rede de Sustentabilidade, noticia este sábado a "Folha de São Paulo".
Um dia antes do funeral de Eduardo Campos, que faleceu esta quarta-feira num acidente de avião, foi anunciada uma substituta para liderar a candidatura da coligação "Unidos pelo Brasil" à presidência do Brasil - um lugar que antes pertencia ao então presidente do Partido Socialista Brasileiro (PBS).
Marina Silva deixa assim a vice-presidência da coligação "Unidos pelo Brasil", liderada por Eduardo Campos até ao dia da sua morte, ocupando o seu lugar. O convite deverá ser oficializado na próxima quarta-feira, dia 20, faltando ainda saber-se quem irá substituí-la na vice-presidência da coligação de partidos de centro-esquerda. A escolha mais provável, indica a "Folha de São Paulo", é o deputado Beto Albuquerque.
Esta não é, contudo, a primeira vez que Marina Silva é candidata à presidência do Brasil: já em 2010 conseguira 19 milhões de votos, concorrendo contra Dilma Roussef. A Reuters indica que Marina Silva pode aumentar a competição nesta corrida à presidência, roubando alguns votos a Dilma Roussef (Partido dos Trabalhadores) e a Aécio Neves (Partido da Social Democracia Brasileira) e tornando mais provável uma segunda volta.