sexta-feira, 8 de julho de 2016

Viseu - Randstad vai criar 250 novos postos de trabalho (call center)

José Miguel Leonardo (CEO), Almeida Henriques, Mota Faria
Participei na sessão de assinatura do protocolo entre a câmara e a Randstad no salão nobre do antigo Governo Civil (...) Este investimento da Randstad na cidade de Viseu enquadra-se no projeto Altice de atendimento em francês a clientes da multinacional francesa, que atua no setor das telecomunicações (...) "A única condição de entrada mais forte que impomos é que tem de haver já uma certa habilidade na língua francesa, porque todo o serviço à Altice é prestado na língua francesa. Estamos a exportar serviço através deste mecanismo

(Lusa) A empresa de recursos humanos Randstad prevê a criação de 250 postos de trabalho, no prazo de 18 meses, para um centro de atendimento a instalar num espaço alugado à Universidade Católica de Viseu.
De acordo com o CEO da Randstad Portugal, José Miguel Leonardo, este é um projeto ambicioso para Viseu, "uma cidade do interior que não sofre dos males da interioridade".
"Impactará sem dúvida na economia local e principalmente nas pessoas, uma vez que os 250 postos de trabalho farão, certamente, pessoas mais felizes, realizadas e com uma situação financeira melhor. Este projeto tem vindo a atrair candidatos que na sua maior parte se encontram em situação de desemprego e isso é também uma mais-valia que a Randstad está a levar a cabo", alegou.
Durante a celebração do contrato de investimento entre o Município de Viseu e a Randstad, ao abrigo do programa municipal 'VISEU INVESTE', José Miguel Leonardo sublinhou que este é o 10.º protocolo que a empresa de recursos humanos assina em Portugal, todos eles em localidades do interior.
"Começámos há um ano em Vieira do Minho, onde estamos a operar e desde então já temos a trabalhar connosco mais de 1.100 pessoas. E o projeto não para aqui: o objetivo final é criar quatro mil postos de trabalho, a médio prazo, em Portugal", informou.
Este investimento da Randstad na cidade de Viseu enquadra-se no projeto Altice de atendimento em francês a clientes da multinacional francesa, que atua no setor das telecomunicações.

"A única condição de entrada mais forte que impomos é que tem de haver já uma certa habilidade na língua francesa, porque todo o serviço à Altice é prestado na língua francesa. Estamos a exportar serviço através deste mecanismo", esclareceu. empresa de recursos humanos Randstad prevê a criação de 250 postos de trabalho, no prazo de 18 meses, para um centro de atendimento a instalar num espaço alugado à Universidade Católica de Viseu.

segunda-feira, 4 de julho de 2016

A direita europeia quer sancionar o quê em Portugal?

Na Europa, o "Brexit" foi mais um - novo - problema a acrescentar a muitos outros, nomeadamente, refugiados, estagnação da economia, desemprego ou clima austeritário que subjuga pessoas, famílias e empresas. As propaladas sanções a Portugal e Espanha são apenas mais "achas para a fogueira". Até parece que ainda não chega!

Entre nós vai sancionar-se o quê? O défice do governo anterior - é o que está em avaliação - cuja atividade e "êxito" esta direita europeia no poder elogiou até à náusea? 
Ou o futuro défice 2016 abaixo dos 3% que todas as instâncias europeias acreditam vir a concretizar-se? Sim, o que verdadeiramente querem sancionar é o governo do PS, porque é do PS. Tal como Não sancionam o de França, "porque é a França", Junker dixit!

domingo, 3 de julho de 2016

(Opinião) O “Brexit” pode não ficar por aqui

O “Brexit” pode não ficar por aqui

(JCentro c/Exp) Quando em 1950 a Alemanha, Bélgica, França, Itália, Luxemburgo e Países Baixos, saídos da guerra, se uniram económica e politicamente, fundando os alicerces da Comunidade Europeia (CECA), tiveram por objetivo construir uma paz duradoura e um espaço de oportunidade e bem-estar para as pessoas. 
O sucesso da iniciativa levou ao Tratado de Roma, em 1957, e assim se instituiu a CEE. O alargamento passou a ser uma prioridade. O Reino Unido entrou em 1973, tal como a Dinamarca e a Holanda. Mais tarde, em 1986, Portugal e Espanha, integraram esta família que, até aos dias de hoje, não mais deixaria de crescer.
Por isso, o “Brexit” e a consequente saída do Reino Unido da CE é um rude golpe para os valores matriciais da União. A direita inglesa é responsável por este desaire, tal como a direita europeia. Têm criado um clima de constrangimento e descontentamento das populações.
As políticas austeritárias e o desemprego são um flagelo. O crescimento económico é pífio, há vários anos, e as melhores expetativas de evolução não vão além de 1,5% até ao final da década.
Não se estranhe, pois, o descontentamento a par de uma regressão demográfica sem paralelo e novos problemas com os fenómenos migratórios. Entre nós, já não conseguimos substituir as gerações desde 1983. Tal como a Europa, envelhecemos. E muito.
A direita preferiu a “banca de casino” às pessoas e estas, paradoxalmente, passaram a estar ao serviço da economia. Diz-se, por exemplo, que há problemas de sustentabilidade na Segurança Social e que é preciso reduzir, ainda mais, os trabalhadores na função pública. Só ninguém explica por que motivo para a banca há sempre mais dinheiro público e se aumenta ainda mais o número (e salários) dos seus administradores. O “Brexit” pode não ficar por aqui.
JCentro 2016.06.26

Viseu - Jardins Efémeros 2016

Jardins Efémeros em Viseu - durante 10 dias arte, cultura, luz, som, gastronomia, "reanimação" do comércio tradicional e muita animação trazem às ruas milhares de pessoas todas as noites ao centro histórico. 

Um projecto de Sandra Oliveira que continua a ganha raízes ...



















segunda-feira, 27 de junho de 2016

Bruxelas: Sanções "simbólicas" a Portugal? Era só o que faltava!

Jean Claude Juncker.
Simbólico é, infelizmente, o funcionamento da União Europeia. Perderam-se os valores matriciais do seu ideário. 
Está democraticamente debilitada pela proliferação de eurocratas que querem mandar em tudo, sem mandato legitimado pelo voto popular. 
As lideranças da generalidade dos chefes de estado e de governo mostram-se pífias e deslustram nomes fundadores como Konrad Adenauer,  Winston Churchill,  Jean Monnet, Robert Schuman entre outros. 
Com esta espécie de ameaça que não é feita, por exemplo, à França, "porque é a França", como verberou Junker, o Presidente da Comissão, a Europa derrama gasolina sobre o fogo que neste momento já a consome. 

Messi desiste da seleção argentina ...e valoriza Ronaldo

Falhou uma grade penalidade ... e não se aguentou psicologicamente. 
Anunciar a saída neste contexto revela fraqueza. Talvez a atitude não seja irrevogável. 
Por esta e outras é que Ronaldo é o jogador mundial mais completo ... e o melhor. 
O que se passar nos próximos tempos terá uma influência enorme na decisão da Bola de Ouro. Messi é campeão de Espanha pelo Barça e Ronaldo é campeão europeu pelo Real e melhor goleador.