quarta-feira, 23 de Julho de 2014

Reforma do IRS, mais do mesmo. Pode aumentar para 3,7 milhões de famílias

O Governo já não consegue criar soluções que não sejam mais do mesmo: aumento de impostos. Se competência é isto ... mais vale estar quieto.
Há cerca 3,7 milhões de agregados que não declaram qualquer dependente no seu IRS e que arriscam ver a sua fatura com o imposto agravar-se com a introdução de um quociente familiar e de deduções fixas. 
O anteprojeto da reforma do IRS prevê que a determinação do rendimento coletável passe a ter em conta o número de dependentes do agregado, atribuindo a cada um o valor de 0,3.

Afinal, no 1º trimestre a dívida pública aumentou para 132,9%

A dívida pública portuguesa aumentou para 132,9% do PIB, no primeiro trimestre deste ano. 

Segundo os dados do Eurostat ontem divulgados, a dívida ultrapassou os 220,6 mil milhões de euros, sendo a terceira mais elevada da UE. 

Bem pode o Governo dizer o que entender, porque a realidade, neste caso, é matemática.

Talvez por isso os rumores sobre a saída de Maria Luís Albuquerque do Governo para exercer as funções de Comissária não sejam apenas fumo.

Seguro vê a sua tese defendida por António Costa e Rui Rio junto do PR

Costa e Rio defendem a mesma tese de Seguro. É um bom sinal. 

Seguro, em momentos chave, reiterou junto do PR a necessidade de eleições e um acordo alargado, mesmo que o PS tivesse maioria absoluta.

Primeiro foi a moção de censura, depois, há um ano, aquando da crise Portas e da sua demissão, e até aos dias de hoje, nomeadamente no Conselho de Estado, bateu-se por esse objetivo. 

O Governo sucedeu-se em crises internas e as instituições não veem assegurado o seu normal funcionamento. 

António Costa e Rui Rio defendem agora a mesma tese, com uma "nuance" substantiva: a antecipação para abril. Seria tecnicamente desejável porque, assim, o ciclo legislativo ao passar para este mês ficaria suficientemente longe da data de outubro, altura em que o OE deve ser entregue na AR; e ficaria suficientemente longe das presidenciais. Parece-me bem. Todos estaremos de acordo, certa e finalmente!



terça-feira, 22 de Julho de 2014

Governo e professores - "Uma no Crato e outra na ferradura"

A avaliação de professores (só por ironia) foi marcadas com 3 dias úteis de antecedência para aqueles que têm menos de 5 anos de exercício na docência. É um "faz-de-conta" do ministro, porque nem há rigor, nem há matéria e nada foi preparado.

Tudo se resume a expediente para despedir professores. Portanto, em nome do rigor o ministro baseou-se na falta dele, mas pretendia passar uma ideia ao contrário. Enfim, "uma no Crato e outra na ferradura"

"O braço-de-ferro entre Nuno Crato e professores atingiu ontem o seu auge e esta manhã, quando se realizar a prova de avaliação de conhecimentos e capacidades (PACC), sindicatos e Governo vão medir forças para ver quem leva a melhor. 
A Fenprof marcou plenários nas escolas para a hora do exame, o que justifica a falta dos professores efetivos que iam vigiar a prova dos colegas contratados, e Crato impediu essas reuniões"

Presidenciais: PSD cada vez mais dividido

"A revelação feita por Marques Mendes de que Pedro Santana Lopes é "claramente o preferido da direção de Passos Coelho" para as presidenciais veio lançar a confusão dentro da Maioria. 

No PSD, o nome do ex-primeiro-ministro está longe de ser pacífico e, no CDS, a preferência vai para Marcelo Rebelo de Sousa ou Rui Rio. 

A mais de um ano das eleições, o PS está unido à volta de António Guterres, mas os sociais-democratas ainda andam à procura de um nome, ou melhor, à espera que os nomes que estão em cima da mesa abram o jogo." 

O PS ao envolver-se numa disputa interna, tão perto das eleições, não escolheu a melhor oportunidade, nem o melhor caminho. Contrariamnete a outros, pode ser que me engane

António Seguro - Viseu - Reunião Distrital de Organização

Decorreu ontem a 1ª reunião distrital de organização dos apoiantes da candidatura de António Seguro a 1º Ministro. 

Estiveram presentes os responsáveis concelhios e com eles foi possível fazer um primeiro balanço do arranque dos trabalhos para as primárias, bem como dilucidar dúvidas sobre a metodologia de inscrição dos simpatizantes e calendário das primárias. 

Simultaneamente, foram apresentadas sugestões para ações futuras. Mesmo em tempo de férias as presenças demonstram uma boa motivação.