quarta-feira, 30 de setembro de 2015

Aumenta a destruição de emprego e a taxa de desemprego (12,4%)

Em pleno Agosto, o desemprego sobe e o emprego diminui mais de 34 mil pessoas. Estes indicadores demonstram que não há sustentabilidade nas políticas do Governo, sobretudo num período em que a sazonalidade impunha indicadores mais favoráveis. 


"Valor provisório de Agosto é superior em 0,1 pontos em relação ao mês de Julho, anunciou hoje o INE. Valor de Julho foi revisto em alta, em 0,2 pontos.
De acordo com aquele instituto, a taxa (ajustada de sazonalidade) ficou em 12,4%, uma décima percentual acima do valor final definido para Julho. O valor de Julho foi corrigido em alta em duas décimas percentuais, de 12,1% para 12,3%.
Esta é a primeira vez, este ano, de acordo com o INE, que a taxa de desemprego sobe em cadeia (em relação ao mês anterior). A última vez que tal tinha acontecido remonta ao período entre Dezembro e Janeiro passados. 
A taxa de desemprego entre os jovens aumentou em 0,6 pontos percentuais face ao mês anterior para 31,8%. 
O número de desempregados em Agosto ter-se-á cifrado em 633 mil pessoas, mais 4,8 mil pessoas sem emprego e mais 0,8% face em relação a Julho. O aumento da situação de desemprego foi maior entre as mulheres (mais 6,9 mil pessoas, para os 12,7%).
Os números provisórios do INE avançam que a população empregada estará nas 4,46 milhões de pessoas, menos 34,2 mil pessoas que em Julho. A queda deu-se em todos os grupos etários analisados, ficando a taxa de emprego nos 57% (menos 0,5 p.p. que no mês anterior). 
Em Julho, o Eurostat colocava Portugal entre os países com quedas mais acentuadas nas taxas de desemprego, sendo no entanto o quarto país da União Europeia com a taxa de desemprego mais elevada, posição semelhante entre os jovens.
O tema do desemprego tem sido tratado na actual campanha para as legislativas como uma prioridade central dos partidos."

Sem comentários:

Publicar um comentário